Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos

v. 7 n. 1 (2012): Março/2012

Governança Corporativa e Ética de Negócios: Uma Análise nos Principais Modelos Internacionais de Controle Interno

DOI
https://doi.org/10.7177/sg.2012.V7.N1.A5
Enviado
abril 25, 2011
Publicado
julho 16, 2012

Resumo

O estudo da governança corporativa e das questões éticas no ambiente de negócios tem atraído a atenção de acadêmicos do Brasil e do mundo. Além disso, a Securities and Exchange Commission (SEC), sob o amparo da Lei Sarbanes-Oxley, obrigou todas as empresas que negociam títulos mobiliários nos EUA a publicar uma avaliação de seus controles internos, tanto para assegurar mais transparência e ética como para estimular melhorias nas práticas de governança corporativa. Nesse contexto, este artigo descreve uma pesquisa que buscou analisar a dimensão ética no sistema de controle interno quando ele é considerado uma parte do sistema de controle gerencial. Realizou-se uma revisão da literatura internacional e destacou-se os organismos que em seus modelos de controle interno contemplam a dimensão ética na concepção da estrutura de controle. Na análise, as variáveis utilizadas na comparação dos modelos se pautaram na relevância dada por cada um à gestão de riscos, avaliação do desempenho e promoção de atitudes éticas nas empresas. A partir da técnica de análise de conteúdo, constatou-se que apenas três deles (i.e., o COCO, o COSO ERM e o King Report) apresentam uma clara preocupação com a dimensão ética, sendo que um deles, o COSO ERM, por ser o mais completo, pode ser considerado o mais apropriado no que diz respeito ao tratamento dessa dimensão. Concluiu-se que uma estrutura apropriada de controle interno pode contribuir para (i) a consolidação da ética nos negócios, (ii) o alcance de um bom nível de governança corporativa nas empresas e (iii) melhorias na eficiência e efetividade gerencial e operacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.