Edições anteriores





2014

v. 9, n. 4 (2014): Dezembro/2014

PREFÁCIO

Esse número especial é dedicado ao tema Gestão & Operações. Na concepção aqui adotada, Gestão & Operações implica em otimizar, planejar, organizar, coordenar, executar e controlar os mais diversos processos e recursos para se alcançar um objetivo. Esses meios tanto podem ser físicos como abstratos, estando voltados para a resolução de uma situação-problema. Trata-se, portanto, de uma temática bastante abrangente e aplicada às mais diversas atividades.

Especificamente, o presente número do Periódico Sistemas & Gestão (S&G) reúne uma coletânea de 14 artigos em que são abordadas questões relacionadas a processos produtivos, logística, teoria dos grafos, redes sociais, pesquisa operacional, finanças, cadeia de suprimento, qualidade, sustentabilidade e inovação. Não raramente, os artigos contemplam uma interação entre esses temas evidenciando a interdisciplinaridade existente nessa área do conhecimento.

A aplicabilidade dos estudos, por sua vez, abrange o setor público, o setor privado e organizações não-governamentais. São abordados problemas de natureza estratégica, bem como de natureza operacional, voltados para vários setores da economia. Diversas metodologias estão contempladas fazendo uso de modelagem, simulações e estudos de caso.

Assim sendo, gostaríamos de compartilhar com os leitores da S&G, toda a multiplicidade e diversidade de temas e problemas abordados nos artigos desse número especial.

 

Cristina Gomes de Souza e Leonardo Silva de Lima

v. 9, n. 2 (2014): Junho/2014

PREFÁCIO

 

   O número especial da revista Sistemas e Gestão é uma coletânea de artigos baseados na vivência dos autores em experimentos realizados em seus laboratórios de pesquisa. Os autores dos artigos publicados pertencem a vários Programas de Pós-Graduação que desenvolvem  pesquisas relacionadas à área de energia e meio ambiente e sustentabilidade, gerando com muita relevância o material ora publicado.

   Além disso, os autores possuem grande embasamento do assunto abordado, adquirido ao longo de anos de experiência, não só na área acadêmica, como em empresas onde exerceram ou exercem sua função de engenheiros, o que muito motivou a criação desse número.

   Essa iniciativa certamente instigará que outros colegas de trabalho sintam-se estimulados a gerar outras edições de tais artigos científicos atualmente tão importantes na área acadêmica.

    O número especial é apresentado em seis artigos, todos abordando temas, relacionados ao meio ambiente e sustentabilidade, em diferentes aspectos, como a pesquisa de campo, de laboratório e industrial.  Com este número, os autores esperam contribuir com conhecimentos pertinentes à área ambiental, principalmente no que diz respeito às conseqüências da não prática da sustentabilidade ao nível de empresas e, de certa forma, também, apelar para a consciência dos empresários da importância de se mitigar ou mesmo eliminar as contaminações geradas nos seus processos de produção. 



2012

v. 7, n. 2 (2012): Junho/2012

PREFÁCIO

 

Aprendiz de Artesão

Ao invocar a tríade de expoentes da renascença: a observação em Galileu, a escrita de Camões e a pintura de Da Vinci, esbarro em Shakespeare e desatino a explorar seus datílicos versos a ermo. Depois de investigar toda a península ibérica dos cinco séculos de domínio árabe, me lambuzo comendo kafta, labineh e merche, e parto à perseguir de perto a Fórmula 1 de caravelas e aporto no Brasil.

Viajo com os olhos estrangeiros e nova tríade consorte me devora o estômago, raízes de Hollanda, a eco-nomia do Prado e a senzala do Freire traduzem um carioquês de milho cozido e água de côco natural.

A favela é a nova senzala para o Lobão, que com a chegada dos alquimistas do Benjor, compõem todo amor que houver nessa vida do Cazuza, e enobrecem nossa estirpe de poetas errantes, nossos moinhos, nossos castelos. O samba ainda vai nascer, e todo sanduíche será sagrado no Cervantes.

O modernismo carnavalesco da Rosa, Noel, bandoleiro da Vila, o tropicalismo gentil dos baianos anexo ao Cinema Novo de Glauber, expõem os ossos do ofício dos Hermanos que retomam a tradição da Central do Brasil ao elegiar em canções o marulhar dos pescadores de Caymmi, a brasilidade do barro poético até sancionar a lei do forte na força do fraco.

Todo dia é dia de índio fixou nova identidade cultural nesse aprendiz de artesão vital e em Hip Hop, ao traduzir a voz da periferia e em toda telenovelisse viralata, o ensejo de felicitações momescas típicas do nosso imperador Pedro.

As iguarias, coxinhas e petiscos acompanhados de cerveja e cachaça, só com música ribeirinha apropriada meRmão. E não vem com essa não, de que tá de luto, que a fogueira de São João acabou de acender e o forró, for all, será até o sol raiar. Bota churrasquinho, salsichão e ritmo pra quebrar que a Mangueira vem ai.

A maresia do pensador enche o ar de fumaça, a indústria criativa inova ao juntar no jogo do negócio sustentável a educação e pedagogia do Freyre, e atestam vários projetos do Darcy em Brizolões cinematográficos largados pelo estado à fora.

Uma desobediência civil titânica, reclama que todos estamos ficando loucos de tanto pensar, rotinas febris usurpam nossas almas banhadas de Tom, vestidas de Cartola e perpetuadas em estátuas Elíseas Róseas e Carmem Ligias de outrora.

Vozes que cantam toda nossa cultura, testemunhas elocubradas do praiano sentimento do mundo: o solar encanto dos lábios paradisíacos das ondas a marulhar e te indispor a toda e qualquer sorte de produção, até o inexorável contemplar da feijoada e caipirinha que num momento de glória diz ao mundo “eu fico”, e cria o Dia do Fico, dia de ficar consigo e com ela sem compromisso... Só indícios fátuos, de que a vida é a melhor cantora e meretriz, e que devemos oxalá aos orixás, santos e divindades, ofertas, encantos e ritos, toda a nossa ginga de capoeira talhada nas ruas de paralelepípedo e faca nos dentes.

Reluz-entes da escola de Frankfurt, o ser que não é em Heidegger, a intencionalidade Husserliana, e o tempo em Bergson cogitam fenômenos novos después de Descartes os esmerilhar no viço do Rocinante a galopar amores lancinantes, uivo de aprendiz de iniciante, um humilde artesão.

 

                                          José Augusto Nogueira Kamel

                                 Rio de Janeiro, 13/06/2012, Dia de Santo Antônio







2006

v. 1, n. 1 (2006): Abril/2006

EDITORIAL

É com grande satisfação e honra que publicamos este primeiro número do periódico Sistemas e Gestão (S&G).

A resposta da comunidade científica/acadêmica ao convite de submissão de artigos à S&G superou as nossas expectativas iniciais. Foram 50 artigos submetidos entre a nossa primeira chamada (final de novembro de 2005) e o encerramento desta (final de fevereiro de 2005). Este fato mostra o quão produtiva é a nossa comunidade e, também, a necessidade de ampliarmos os canais de comunicação e difusão de conhecimento científico qualificado.

Os artigos recebidos foram submetidos à avaliação de consultores ad-hoc de reconhecida competência na comunidade científica. Com base nos pareceres destes avaliadores, estabeleceu-se um enriquecedor diálogo entre pareceristas e autores. Como fruto deste processo, esta editoria selecionou 06 artigos pra a publicação nestes primeiro número da S&G.

Neste importante momento, esta Editoria faz questão de agradecer aos Autores, que responderam de forma tão positiva ao nosso convite. É um estímulo significativo ao nosso trabalho termos recebido esta demanda, principalmente se considerarmos que, por ser uma nova publicação, a S&G ainda não consta dos indexadores tradicionalmente utilizados na avaliação do nosso desempenho profissional.

Agradecemos, também, ao Conselho Consultivo da S&G. Este Conselho é formado por ilustres membros da nossa Academia, os quais prontamente atenderam ao nosso convite, mostrando-se receptivos em apoiar e orientar as nossas ações.

Registro, ainda, o nosso agradecimento aos Membros do Corpo de Avaliadores. Este corpo é formado membros proeminentes de nossa academia, que não se furtaram em apoiar e despender horas de seu valioso tempo na análise dos artigos submetidos à S&G. Esta atitude proporcionou um profícuo diálogo com os autores dos textos aqui publicados.

Finalmente, o nosso registro de agradecimento ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense (UFF), que viabilizou a realização deste empreendimento; e, à Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO) que muito apóia a implantação do mesmo, promovendo e divulgando a S&G. Estes apoios têm sido fundamentais para que alcancemos os nossos objetivos.

Estes fatos nos incentivam na nossa jornada e nos fazem ter a certeza de que estamos caminhando no sentido de cumprirmos a nossa missão:

"Difundir conhecimentos científicos que estejam no estado da arte no âmbito da engenharia e gestão de sistemas de produção."

Esperamos que os trabalhos aqui publicados sejam úteis aos nossos leitores e contribuamsignificativamente ao desenvolvimento da Gestão de Sistemas de Produção no Brasil.

Saudações e sejam muito bem vindos,

Prof. Dr. Helder Gomes Costa, Editor
Sistemas & Gestão