Gestão de clubes de futebol brasileiros: fontes alternativas de receita

Cláudio Vicente Di Gioia Ferreira Silva, Luiz Alberto Nascimento Campos Filho

Resumo


O futebol como negócio representa uma oportunidade de alavancagem sócio-econômica. É preciso que haja uma modernização das organizações que o comandam, já que a sociedade brasileira é insatisfeita com os serviços prestados e os clubes brasileiros, em sua maioria endividada, acabam desvalorizando sua marca associada a uma ineficácia administrativa. Em 1998 um novo fator veio influenciar nesse cenário: foi sancionada a Lei nº. 9.615, conhecida como lei Pelé, que extinguiu o passe dos jogadores de futebol. Até então, os clubes de futebol brasileiros tinham como principal fonte de receita a venda do passe de jogadores. A partir dessa mudança regulatória, os clubes foram obrigados a desenvolver fontes alternativas de receita. O presente artigo tem como objetivo analisar este novo cenário e apresentar opções aos clubes, que não estejam ligadas somente á venda de passe de jogadores. Para isso será realizado um estudo comparativo entre o futebol brasileiro e o futebol europeu, identificando quais as estratégias empregadas e os resultados obtidos. Nesse contexto, o apoio governamental e a relação dos clubes com os seus clientes mostraram-se como os itens relevantes.

Palavras-chave


Fonte de receita; Clubes de futebol; Mudança regulatória

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.7177/sg.2006.SGV1N3A2

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

ISSN: 1980-5160

Rua Passo da Pátria 156, bloco E, sala Sistemas & Gestão, Escola de Engenharia, São Domingos, Niterói, RJ, CEP: 24210-240

Tel.: (21) 2629-5616

Correspondência: Caixa Postal LATEC: 100175, CEP 24.020-971, Niterói, RJ